PEQUENAS HISTORIAS





domingo, julho 25




Mudámo-nos definitivamente para
http://historiaspequenas.blogspot.com/
tudo o resto permanece igual













sábado, julho 24

A LEI DA EVOLUÇÃO



Depois da revolução de 1974, havia gente especialista em incendiar o rastilho da zaragata no meio dos eléctricos. Tudo muito apertado e um homem dizia bem alto: "Estes gandulos deviam ir todos para a prisão. O país precisa é de um novo Salazar. É mandá-los para o Ultramar". Uma avalanche de arremessos, ameaças, gritos e encontrões desprendia-se da multidão comprimida até que o condutor imobilizava a viatura, punha as mãos na garraiada, em estilo de pega de caras, e ameaçava não continuar a viagem até ficar tudo em silêncio. " Não quero ouvir nem mais um pio".Sentava-se e repetia: " Nem mais um pio!" . Um tal consenso, a troco de movimento, aguentava-se aí por duas paragens.
Dez anos mais tarde, o palco da controvérsia era já outro pois as discussões tinham entretanto migrado para os cafés de bairro e as tabernas. Um grupo de meia idade começava a exaltar-se, a elevar a voz e, a certa altura, disparava fagulhas assassinas para os ouvidos da restante clientela: " os políticos estão a dar cabo do país"; "é a mais completa vergonha, andam todos a comer à conta"; "os malandros não querem é trabalhar".
Hoje, só conheço um único resistente de toda esta população inconformada. Trata-se de uma figura descomedida que anda pela zona do Rossio e dos Restauradores, sempre a arremeter pela passadeira dos peões e a inverter a marcha dando meia volta rápida, para a mais completa desorientação dos automobilistas, com fato completo muito amarrotado e cheio de nódoas, uma gravata deslaçada e o dedo em riste na procura um ideal de justiça que contrasta com o mais vernacular catálogo de insultos: "Filhos da puta, cabrões dos políticos, miseráveis, esses filhos da puta, cabrões…"
Ao analisar esta evolução, penso ser possível formular a seguinte lei sobre o comportamento social: quanto mais exclusivo se torna um determinado sentimento, mais sintética e poderosa fica a linguagem pela qual ele se exprime.
Cabrões.

Nuno in pequenas histórias















Licença Creative Commons
Sob a Licença de Creative Commons.